quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Videira violeta, a flor que foi jogada fora.

                                                       
    Callistegioides Clytostoma
                                                 

    Esta videira se alastrou no terreno baldio, é uma linda trepadeira, que alguém não quis mais e jogou fora, e ela deu seu jeito de crescer ali. Com certeza ela tem todas as condições necessárias para estar tão bela e florida, em meia sombra, solo úmido sem encharcar, e posso dizer com certeza que toma sol da manhã, pois conheço o terreno e a rota que o sol faz nele.

    Percebi esta planta, com grande ramagem, se alastrando em um terreno baldio, é uma trepadeira com caule semi lenhoso, que se adaptou em uma terra, que a disputa de nutrientes é grande, pois a presença de ervas daninhas e outras invasoras, é maciça. 

   Mesmo assim ela, encontrou outros fatores que a ajudaram a viver, e observando todas as condições do terreno, ela é invasora com certeza, porém não impede de tê-la no jardim, mantendo a manutenção de seus ramos sempre podados.

   Lembrando que as podas, devem ser feitas em períodos de dormência da planta, eu sempre escolho, o começo do inverno, para as podas de minhas plantas, para que na primavera, ela rebrote e venha a florir.

    O sol é filtrado por árvores, que tem ao seu redor, com abundancia de sol da manhã, que é bastante favorável para a floração e seu desenvolvimento, o solo é rico em matéria orgânica, e se alastra com facilidade, e posso dizer com certeza, que é invasora, por isso é uma planta de fácil cultivo, mas que deve-se observar seu crescimento, para poder controlar melhor seu tamanho, sem que se tenha muita ramagem e venha a se tornar um problema.

   Se propaga facilmente por estaquias, sua flor é bem peculiar e muito agradável, em forma de trompete, esta em particular, é na cor lilás, com ranhuras e o centro da flor, na cor branco. É muito comum eu perceber plantas que são invasoras, serem ótimas opções para quem gosta de jardins de fácil manutenção, na questão é claro: do cultivo.

    Pois elas se propagam rapidamente, e no cultivo, elas só precisam mesmo, de solo rico em matéria orgânica, no mais, é o controle dela, na questão da invasão, que então deve-se observar para não ter o jardim totalmente infestado com só uma planta, e matando outras espécies mais delicadas.

   A questão de plantas invasoras é muito vasto, e o que devemos observar com os cultivares, realmente é seu alastramento, plantas que não requerem muitos cuidados como esta, geralmente tem esta característica.

Simone Felic
 Callistegioides Clytostoma


Com muito botões ainda para florirem.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Minhas onze horas com cacto e jardins alheios.

    Um mix de plantas!


   Hoje trago á vocês mais plantinhas, e hoje em especial, é um mix de imagens que relato um pouco de cada imagem, como vocês sabem adoro fotografar, e os jardins alheios não escapam á minha visão.

   É uma paixão que gosto de registrar em imagens e palavras, que com o decorrer da postagem, vocês poderão conferir. De todas as plantinhas de hoje, somente são minhas: as onze horas (Portulaca), e o cacto (Mammilária elongata), o restante são plantas de jardins alheios, para presentear á vocês que sempre estão aqui me fazendo companhia.  Segue breve relato de cada uma das imagens.

    E as lindas onze horas, gostam de umidade e sol direto, faz um belo composé em jardins ensolarados, é generosa em flores, só deve-se manter úmido seu substrato, pois desidrata com mais facilidade.
   A umidade, não pode ser encharcamento, por exemplo: se você esquecer de regar, e quando regar jogar muita água para compensar o que faltou, ela apodrece, as onze horas é um tipo de suculenta que gosta de umidade constante, tenha sempre em mente que ela gosta de sol e branda umidade, é uma planta que apodrece se receber água em demasia.

   Onze horas nos jardins não devem ser regadas, a menos que não receberam uma rega no intervalo de uma semana, em vasos elas podem receber água uma vez na semana, em períodos de inverno e no verão até duas na semana, e sempre observando as necessidades e o clima.

   E as plantinhas de hoje, que capturei dos jardins alheios, são estas lindas e não podia perder uma só sequer, desde a Aleluia ao Manacá, deram um show de florada.


Vinca/gerânio/cravo.
                                            


   E o meu cacto Mammilária elongata é um dos primeiros cactos que obtive em supermercado, super miudinho na época, ele cresceu bastante mas é primeira vez que dá flores, é bastante comum, quem gosta de cultivar cactos eu recomendo este gênero das Mammilárias, em primeiro lugar, e esta, em especial, pois são fáceis de cultivar.

   Suporta o solo seco por bastante tempo, regas devem ser poucas no mês, o indicado é uma vez na semana, mas com uma observação, a quantidade de água deve ser pouca, eu sempre utilizo uma tampinha de amaciante cheia para não aguar de mais, para vasos do tamanho dos de violeta. E deixe o solo secar entre as regas.

   Devido á sua resistência ao calor, suporta pequenos períodos com a terra seca, não é porque é um cacto que deve secar por longos períodos, depois de observado a terra seca, deve-se regar, e sempre observando a quantidade de água, sempre tenha em mente que, sempre menos é mais, então eu aconselho, a sempre ter um copinho medida, e assim não encharcar a terra quando for rega-lo.

   Suas flores aparecem na primavera, em pleno calor, não atraiu polinizadores, porém ficou uma semana renovando de novas flores, que são pequenas e na cor madrepérola.   É um cacto de pequeno porte, em formato colunar, com espinhos em toda sua extensão em forma de estrela, que não machuca, pois os espinhos são curvados para o lado de dentro do cacto. e com o tempo não suporta seu peso e fica com efeito pendente.
Simone Felic.

Mammilaria elongata.



   Eu e minhas plantinhas deseja um ótimo dia á todos!

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

A importância dos adubos.

   A necessidade de adubar.   


    As plantas necessitam muito de nutrientes para se manterem saudáveis e cumprirem seu ciclo de vida, sem eles, elas perdem o viço e não conseguem florir e frutificar, e aí entra esta sigla que são dos nutrientes que uma planta necessita.

   O NPK é uma sigla de nutrientes que fazem a diferença no cultivo de qualquer espécime, desde fortalecer a planta para seu crescimento saudável e sua frutificação, fase necessária para o ciclo da planta. 
   O nitrogênio é um nutriente importante para o crescimento da planta, importante no processo de formação de folhas, na fotossíntese, plantas que tem necessidade deste nutriente ficam com as folhas amarelas e sem vida, e com o passar do tempo a planta perde o viço e pode vir a morrer.
   O fósforo é importante na floração, sempre que quiser sua planta floresça, o fósforo deve ser abundante na adubação e assim consequentemente tendo flores dará frutos para a disseminação da espécie, caso contrario é um ciclo importante da planta que será interrompido.
   O potássio faz parte do crescimento da planta, com ele a planta consegue ter um sistema radicular  forte, que sugará o potássio para o restante da planta para manter sua seiva distribuída por toda a planta, levando assim água e mantendo a saudável.
   Vimos que os nutrientes básicos NPK são indispensáveis para o ciclo da planta, além do micronutrientes, que falaremos em outra ocasião.
   Podemos encontrar estes macronutrientes de várias maneiras, como: granulados, líquidos, e ainda as farinhas de mamona ou de osso, que são de industrializados.  Podemos sempre ter mente que podemos usar também as mais comuns que são o húmus de minhoca, os estercos bovinos, de granja, e equinos misturados á terra.

   Com estas dicas teremos as plantas saudáveis e cumprindo seu ciclo de vida, tanto para hortas á frutíferas, e ornamentais, será de grande valia o emprego destes nutrientes, presentes nesta lista de fertilizantes, tanto naturais como industrializados. É fundamental o emprego destes fertilizantes, visando a saúde da planta, e assim podemos ter plantas que serão mais resistentes á pragas,  porém sem garantia que as pragas não venham atacar a planta, porém elas estarão mais fortes para resistirem a qualquer praga, e assim também se recuperarem.

  Simone Felic
  

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Aloe saponaria.


    Hoje venho apresentar uma suculenta que é bem fácil de cultivar, é verdade gente, muitas vezes vi postagens em sites dizendo: tal planta é de fácil cultivo e quando conseguia uma e começava a cuidar, eu percebia que não era bem assim.
   E com o tempo fui me aventurando e percebendo quem de fato era fácil cultivar, e esta é uma da lista. É uma Aloe que muitos já sabem é usada pela indústria cosmética e com propriedades medicinais. Tenho percebido que na industria cosmética ela tem sido mais rara mas não obsoleta, pela alta oferta de produtos que procedem da natureza que temos tido.

Aloe

     Suas folhas carnudas e espinhentas em toda lateral da folha são um adorno mas também cortantes, temos de ter cuidado no manuseio da planta, eu sempre uso luvas ou envolvo  a planta em jornal para retirar as mudas que sempre se proliferam na base da planta, é muito fácil ter muitas mudas depois de algum tempo, as pequenas flores são um conjunto bem harmônico que se dispõem na haste floral, é uma floração bem peculiar, mas sem muitos atrativos.



      A flor em forma de sino na cor salmão a meu ver não é muito atrativa, mas bem interessante ao meu ver, flagrei alguns polinizadores dentro dela, mas não consegui registra-los, são muito ariscos.


    É uma floração que chama bastante atenção, a altura da haste floral chega a uns 70 cm, a haste floral chega a uns 70 cm e é bastante resistente o que permite as flores secarem sem que a haste caia, como vi em algumas plantas acontecer.

   Muito conhecida pelo nome de babosa, seu nome popular, a Aloe conta com inúmeros gêneros nesta família, com suas propriedades terapêuticas e cosmética, eu já usei muito esta que vocês podem conferir nesta postagem, que também é uma Aloe bastante comum e bem conhecida e a mais usada para fins anti inflamatórias e cosméticas.

    A aloe saponaria pode ser usada para fins ornamentais, pois resiste ao sol pleno, e quando falo em sol pleno, realmente ela gosta e se adapta á mais de 5 horas direto ao sol, e as regas devem ser feitas somente ao por do sol ou ao amanhecer sem molhar as folhas.
    Dá um belo efeito no jardim, em que a única manutenção é a rega e o corte de mudas que nascem ao redor da planta mãe, pois se propaga muito rápido quando se adapta ao lugar em que está plantada.
    E assim dando origem á novas mudas que podem ser plantadas sem cuidado algum na região do corte, a menos que esteja em uma estação chuvosa, então o procedimento deve ser mais cauteloso deixando a muda em local seco e fresco para secar a região do corte.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...